5.3.16

Coisas que me divertem

- Pai, conheces alguém que se chame Michael Jackson?
- Hum?
- Para além do cantor.
- Não. Tu conheces?
- Não.

7.12.15

Hipocrisia em política (breve elogio)


Se a hipocrisia em política é proclamar ideias generosas em público contraditórias com as que se pregam em privado. Se é envidar esforços para executar políticas contra as quais se batem no seu íntimo. Se é ter uma dualidade de critérios consoante esteja em causa a sua esfera privada e o espaço de intervenção público. Se é defender a paz em público e a guerra em privado. Se é contribuir para acabar com as discriminações quando o próprio é feito de preconceito (racial, étnico, homofóbico). Se é ser incoerente com algumas das suas piores convições, nestes casos, diria: ainda bem. 

ps: vem isto a propósito das revelações mais recentes sobre o ex-Presidente norte-americano Woodrow Wilson (sim, o pai da sociedade das nações), que parece não ter sido, afinal, pessoa que se recomendasse em matéria de tolerância.

Hein Semke

Descobri este fim de semana no CAM Hein Semke. Um artista alemão (pintor, escultor, ilustrador e outras dores) que se radicou em Portugal nos anos 30 e que veio a morrer aqui em 1995. Nada tem de especial eu nunca ter ouvido falar dele. Outros tantos muitos haverá de quem nunca ouvi falar. Mas uma pessoa não deixa de se interpelar quando descobre algo de que gosta muito e que sempre esteve aí. É isso, gostei muito. Íssimo. Tem duas telas intituladas "Parlamento" (também por aqui, é certo) e pelo menos uma chamada "Debate". As minhas preferidas, talvez. Pensei em fotografar mas depois desisti, lembrando que o google tem tudo e tira sempre melhores fotografias do que eu. Fui lá hoje. E, sobre estas obras, nada. Ou quase nada. Aparentemente, o google anda quase tão distraído como eu.

Caro Scorcese... esquece, não ligues.


Em matéria de filmes, saliento-me pelo saber, não direi enciclopédico (estaria a exagerar), mas aprofundado sobre aqueles que poderíamos chamar, sem desprimor para com os canônes da crítica cinematográfica, de filmes da treta dos anos 80 e 90. Uns bons (filmes da treta) outros bem mauzinhos. Mas todos eles cumprindo com competência o seu fim último: entretem (como diria, e a meu ver bem, o amigo do meu filho mais novo). Para infelicidade dos meus filhos, decidi(mos) partilhar algum deste saber com eles. Eles parecem apreciar. Da trilogia do Regresso ao Futuro, passando pelo Sozinho em Casa ou o Dennis, o Pimentinha. Se tudo correr como previsto, este estágio servirá para criar as bases para, um dia, lhes apresentar o maior dos filmes do género. Refiro-me, como já terão adivinhado, ao grande Jackie Chan. Can't wait.


Resolução para o ano de 2016 (...e seguintes): filmes scorcese

4.12.15

(agora com adenda) Houve muito alarido a propósito da geometria variável de tratamento do atentado de Paris em comparação com outros. E bem. Espicaça-nos. Já vejo menos reflexão sobre o tratamento diferenciado que a imprensa está a dar ao despedimento de muitos jornalistas dos jornais da Newshold (“i” e “Sol”). Não condeno a forma como tem sido tratado. Antes pelo contrário. Mas não deixa de se notar o efeito da proximidade. Provavelmente, era assim que todos os despedimentos deviam ser tratados. Por vezes, o distanciamento parece servir menos o jornalismo do que a proximidade. Dá que pensar.


Adenda: sempre atenta às parvoíces que se escrevem um pouco por todo o mundo (uma espécie de NSA das redes sociais, mas tudo legal e público  - suponho), a Maria João Pires / Shyznogud fez o seguinte reparo: 

" hum, olha q se reparares n houve grande tratamento jornalístico dos despedimentos do i e do sol. houve muitos comentários em parcelas de redes sociais a q pertences, o q é diferente"

Fui confirmar, pois não levo lições sobre bocas de ninguém (sempre quis dizer isto). 

Excepto neste caso, ao que parece. 

Informo que o último mês foi o meu sexto mais produtivo de sempre

...
Há muitos meses que não escrevia tantos posts.

E porque este é um blogue para mostrar, daqui a uns anos, quão totós eram os meus filhos:

- Sabes quem mandou construir isto (o Aqueduto das Águas Livres)?
- Sei, foi o D. João Pinto.

3.12.15

Os cobradores de promessas


Gosto de ler as crónicas de João Miguel Tavares. Por duas razões. Porque têm alguma graça. E porque conseguem a divertida proeza de enunciar um argumento que, frequentemente, é desmentido pelo próprio texto, ou de fabricar carapuças que, no fim, também a ele lhe servem. Hoje não é um desses casos. Mas anda lá perto. Ao explicar-nos que o grande mal deste governo, aquilo que deixa João Miguel Tavares “tão incomodado e tão incapaz de aceitar pacatamente o que aconteceu ao país”, é o messianismo de Costa e a fé nele depositada para mudar o estado das coisas.

É natural que JMT não se reveja no caminho proposto pela esquerda. Mas o facto de não se rever, de achar que “é coisa nenhuma”, não quer dizer que não exista. Até porque se não existisse, se fosse simplesmente mais do mesmo, não se compreenderiam as acusações de radicalismo das escolhas (lá está) deste governo ou as antevisões da desgraça para breve (no défice, no crescimento, no pib, etc.).

Mas mais relevante é a forma como descarta qualquer esperança neste governo com o labéu do messianismo. É o supremo cololário da TINA. Não temos direito a políticas alternativas à austeridade. Nem mesmo à esperança de que isso aconteça. Nem mesmo na hora zero de um novo governo. Se um governo em início de mandato, com o objetivo de inverter uma política que contou ao longo destes anos com a oposição de muitos partidos e setores da sociedade, não deve ser um catalisador de esperança, não sei muito bem quando deva ser. 

Citando o sketch infra embutido dos Gato Fedorento, o messianismo “está mal!”. Mas JMT limita-se a um messianismo de sinal contrário, que é o cinismo político. Não vale a pena. Nada vai mudar. E isto não só "está mal!", como “está errado!”.

Felizmente, a democracia é um caminho e não se esgota com as eleições. Feitas as promessas de que JMT se queixa, são elas que vão servir de bitola para avaliarmos o desempenho do governo (a promessa de algo é, pois, fundamental). Aqui estaremos para isso. No momento próprio. E que começa.... hoje. 

2.12.15

E de tempos a tempos, o inevitável post sobre Sorkin

Uma belíssima crítica de Rui Zink de um filme que não vi mas com a qual concordo inteiramente (sim, é possível). Relativamente à parte inicial, e trazendo à liça as grandes séries televisivas, diria que Aaron Sorkin (Homens do Presidente) está para Spielberg como David Simon (The Wire) está para Coppola. E como esta observação foi tão boa, retiro-me por hoje. Até amanhã.

Isto é ridículo


Mostrar o que se vale dois

O seu currículo era excelente e foi sempre um trunfo valioso para conseguir um bom emprego. Os problemas começavam quando tinha de trabalhar.

Mostrar o que se vale

Há muito, muito tempo atrás, amigos convidaram-me para escrever num blogue coletivo. Foi pura simpatia e um voto de confiança, visto que tinha escrito muito pouco que se visse. Raras vezes contribui e acabei despedido por inatividade (com justíssima causa). Algum tempo depois, começei a escrever aqui. Umas vezes mais, outras menos, outras muito menos. Mas mostrei, finalmente, o que valia.

Nunca mais fui convidado para escrever num blogue.

Escolhos de algumas escolhas

Eu sei que sou eu mas tenho alguma dificuldade em compreender o sentido num editorial do Público de considerações como "E nem se percebe como pode ter havido quaisquer dúvidas sobre o assunto [relativamente à apresentação de uma moção de rejeição do programa de governo pela oposição]". Quanto à interpretação da rejeição, também discordo do entendimento do Público. Mas isso é interpretação dos factos políticos e ainda bem que as há. O que percebo mal são as escolhas políticas vendidas pela imprensa como inevitáveis. Quando não são mais do que estratégias. Boas ou más, mais ou menos eficazes. Mas há sempre uma escolha. Como, aliás, no-lo recordam em geral os filmes, bons ou maus. É porque é assim mesmo. E agora atentem. Maxime, em política.

1.12.15

O fim de outras praxes

Assisti "no outro dia" a uma prova de doutoramento da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa. Nunca tinha visto nada assim. Ou tão assim, pelo menos. Desta faculdade, que também é a minha. Um júri visivelmente satisfeito com a qualidade do trabalho do candidato. Uma arguição que suscitou interrogações, dúvidas, problemas, esclarecimentos, como lhe competia, mas sem nunca cair, como vi suficientes vezes, na humilhação - pela rasteira, pela desconsideração – gratuita do candidato. Uma academia que celebra aquele que se coloca nos ombros do gigante de Newton (sendo o gigante o conhecimento produzido pelos outros e, assim, o lugar que permite ver mais longe), questionando-o sobre a solidez do seu esteio. Mas já não a academia que adota a canelada como método para ver se o candidato cai do gigante. Claro que são duas formas de testar a robustez do candidato. É fácil imaginar qual seja a preferida dos duxes veteranorum. Parabéns a todos, portanto.