18.11.14

Queria não tropeçar nestas pedras. Resta saber se o problema é das pedras ou da sola dos meus sapatos (provavelmente a pior analogia que alguma vez fiz. E olhem que tenho um currículo assinalável neste domínio)


Tem tudo (vá, muito) para que simpatize com ele. A Convocatóriada Convenção para uma candidatura cidadã. Ideias com que, genericamente, me identifico, um diagnóstico certeiro da situação em que nos encontramos (social, economico-financeira e, não menos crucial, politicamente) e pessoas com um currículo partidário e de intervenção pública que admiro.

Dito isto (e por causa disto), não gostei particularmente do texto da convocatória. Para ser franco, engulha-me a omissão em relação ao partido Livre - sem o apoio do qual não é sequer possível formalizar candidaturas às legislativas -, bem como às restantes formações políticas que estão na sua origem, como o Fórum Manifesto. Claro que toda a gente sabe disso. Mas é fraca justificação. Também sabemos muito do que lá está, da defesa do estado social, da promoção do conhecimento à proteção do trabalho, passando pelo aprofundamento da democracia, em Portugal e na Europa.
Reconheço que há aqui algum picuinhismo e amanhã talvez tenha outra sensibilidade. Mas hoje acho o texto demasiado cidadania e sociedade e pouco partido. Demasiada cidadania porque esta tem muitas vozes, parte das quais apoiam outras ideias e alternativas políticas. Pouco partido porque gosto dos partidos. E gosto deles porque, ao contrário da sociedade, sei quais são as suas ideias.
Não quero menosprezar a louvável abertura (inédita, sim) deste processo à sociedade, a todos os que não estão envolvidos na atividade partidária. Pelo contrário, acho esta abertura ao envolvimento dos cidadãos crucial para uma religitimação da política e das escolhas que implica. Mas isto não deve ser feito à custa de uma desvalorização do papel dos partidos, igualmente fundamental. E o papel do partido Livre aqui não pode ser o de mero veículo para abrir as portas a uma candidatura mas o de peça fundamental para corporizar e dar coerência ao projeto que venha a sair dali.
E dizer isto é tanto mais estranho quanto as pessoas que estão envolvidas mais ativamente nisto, do Rui Tavares ao Daniel Oliveira, contam-se entre aqueles que mais têm feito pela pedagogia partidária no espaço público. Infelizmente, gostava de ter visto isso refletido na convocatória. Mas pode ser apenas miopia minha (sem ironia).

Sem comentários: